top of page
Search
  • Writer's picturePaula Braga

Jesús Soto – Cor, Forma, Vibração

Em 2002, a Dan galeria organizou uma grande mostra da obra do artista Jesús-Rafael Soto, trazendo para o Brasil desde raridades produzidas nos anos 1950 até obras dos anos 2000. No catálogo, a primeira página reproduz a obra Espiral Double, de 1955. A forma das espirais remete à individualidade de uma impressão digital. De fato, não há duas experiências iguais no contato com as obras de Soto. A impressão retinal da obra no observador será alterada de acordo com o movimento interno e externo de quem a vê. Aí está o cinetismo da arte do artista venezuelano: produzir vibrações virtuais, intangíveis, que a partir da dimensão óptica envolvam o corpo todo.

O interesse do artista venezuelano pelo movimento começou com o desejo de “fazer o trabalho de Mondrian se mover” [1], como declarou em entrevista a Guy Brett, em 1965. Ao ver a pintura Broadway Boogie-Woogie, de 1942, – aliás, a última obra terminada do artista holandês – Soto percebeu que Mondrian apontava para o potencial do dinamismo óptico, e dedicou-se a explorar essa vertente da pintura abstrata, primeiro com sobreposições usando a transparência do plexiglass, e depois referindo-se às sobreposições de sons e ritmos que geram a estrutura de uma composição musical. Em Johann-Sebastian Bach, Soto percebeu a ousadia do jogo com duas camadas, a linha rítmica constante e a linha melódica variável, com inversões entre as duas ao longo da peça [2]. Num salto de 250 anos, também o serialismo do músico Pierre Boulez impactou o processo composicional de Soto, que passou a buscar a vibração produzida por intervalos fixos entre pontos de cor [3].

Percutidas pela visão, as peças de Jesús Soto tocam música indeterminada. Só quem entra no dueto com a obra sabe como ela ressoa no próprio complexo sensorial e intelectual. A imagem virtual forma-se num espaço sensível tão particular quanto o de uma imagem onírica. Como no sonho, é possível descrever sensações do que foi visto mas só há um espectador da imagem imaterial que advém de um trabalho de Soto, pois ela depende do ritmo de movimentação do corpo de cada pessoa, da distância, do movimento dos olhos. No entanto, não há qualquer subjetivismo nesse processo, nenhuma variação a partir de critérios de gosto. Simplesmente ocorre que, assim como cada pessoa tem uma cadência respiratória, cada interação com um trabalho de Soto produz uma obra única.

Como declarou a Guy Brett, a intenção é “libertar o material até que ele se torne livre como a música – ainda que aqui eu me refira a música não no sentido da melodia, mas no sentido de relações puras […] É nesse sentido que entendo o ‘imaterial’: todo um mundo de novos significados e possibilidades revelados pela combinação de elementos simples, neutros.”[4] As relações puras mencionadas por Soto surgem de uma suspensão dos significados. Para tanto, ele cria os chamados espaços envolventes, com fios de plástico coloridos pendendo de uma estrutura metálica e ocupando o espaço cúbico. Segundo o artista, é preciso que “o corpo e a mente da pessoa que se integra à obra percam a noção de tridimensionalidade e se sintam imersos num espaço-tempo completamente pleno com a menor possibilidade de pontos de referência externos, pois o Penetrável não passa de uma minúscula advertência da imensidão da plenitude espaço-temporal.”[5] Nesse sentido, o termo circulado por críticos de arte[6] no final dos anos 1960 para nomear essas obras de Soto, “penetráveis”, é impreciso, pois sugere um corpo que penetra um espaço, mantendo-se separado dele. Soto chamava-os de “espaços envolventes”, expressão mais adequada à ideia de imersão e dissolução de referências externas.

Contemporâneo de Jesús Soto, o artista brasileiro Hélio Oiticica também partiu de Mondrian para chegar à declaração “O que Faço é MÚSICA”, título de um texto de 1979, com as letras em maiúscula para indicar um conceito de “síntese da consequência da descoberta do corpo” e não a arte relacionada ao som. No início da década de 1960, Oiticica desenvolveu obras às quais se referia como “Penetráveis”, espécies de cabines que envolviam o espectador na experiência da cor e que, ao final da década inscrevem-se, como parte das Manifestações ambientais, em contextos descondicionadores dos comportamentos, como é o caso dos penetráveis que compõem Tropicália e Éden. Assim, os caminhos que Oiticica e Soto tomaram a partir de Mondrian confluem na ideia de ativação do espaço e libertação da pintura para outras dimensões, inclusive a dimensão do tempo. No entanto, em Soto isso ocorre pela experiência de formação da imagem imaterial, e em Oiticica no lançamento do corpo para outras dimensões do comportamento, dentro de uma proposta estetica e política. É interessante notar, no entanto, a proximidade formal entre as obras envolventes que Soto produziu desde 1968 e o Penetrável da Gal, de 1969, concebido por Oiticica como cenário para um show de Gal Costa na boate Sucata, feito de tubos de plástico, azuis, pendentes do teto.

Em 2005, ano da morte de Jesús Soto, o Centro Cultural Banco do Brasil organizou uma grande mostra propondo diálogos entre a obra do venezuelano e os artistas brasileiros Hélio Oiticica, Lygia Clark, Lygia Pape, Alfredo Volpi, Amílcar de Castro, Franz Weissmann, Arthur Luiz Piza, Sergio Camargo e Wilys de Castro. A lista de nomes reforça a importância das produções que alçaram a abstração geométrica em direção a diferentes fios do feixe de possibilidades aberto pelo construtivismo de Mondrian. A nova exposição de Jesús Soto no Brasil, em 2023, organizada pela Dan Galeria no ano do centenário de nascimento do artista, celebra o cinetismo lírico do grande artista venezuelano que extraiu vibração invisível da materialidade das formas.


Paula Braga, 2023.


1 Soto: a construção da imaterialidade. (org.) Paulo Venância Filho. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2005, p. 42

2 Soto. (org.) Gláucia Cohn. São Paulo: Dan Galeria, 2005, p. 12

3 Soto: a construção da imaterialidade. (org.) Paulo Venância Filho. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2005, p. 42

4 Ibid., p. 47

5 Ibid., p. 33

6 Segundo Hélio Oiticica, Jean Clay, editor da revista Rhobo, teria proposto o uso da palavra “Penetrável” para se referir a obras de Jesús Soto. cf. Carta e Hélio Oiticica a Rubens Gershman de 27/01/1969. Arquivo HO 0556/69

38 views0 comments
bottom of page